terça-feira, 4 de setembro de 2012

NÃO SÓ ESTRELAS DO CÉU

.

..então meu filho, como estão as coisas?
- Ah pai! sabe, a pauleira de sempre né, os dois cartões de crédito foram pro pau !... negócio é tentar negociar para não virar bola de neve...
Ele senta ao meu lado em um banco de madeira daqueles típicos de praça, calça social de linho clara e camisa e agenda...
- É. tem que tomar cuidado hein, eu cuido por exemplo das contas para não perder o controle...

O que foi isso?
Um cochilo pós almoço de alguns minutos e você surge de forma limpa e singela com preocupação e carinho na voz...
Dez anos que o sr. partiu, dias depois do 11 de setembro. As torres caindo e o senhor partindo...
E o senhor me visita com um sonho que me despertou mais ameno...

Não irei discutir o que é provável mas digo que as coisas são subjetivas nesta questão...
Hoje é meu pai, amanhã poderá ser o seu a lhe surgir em paz, trazendo conforto, confessando uma saudade, ou realizando um desejo.
Ou, talvez tua mãe , transportando-te para o cheiro de pão quente com manteiga, o café passado no coador de pano as 16:30 h, e o seu mundo, completamente seguro.

Não pode haver sonhos interrompidos, nem amores reais despedaçados.
Os cães morrem, os pássaros partem...
Se há saudade é porque há amor.

E por que amor se tudo se finda ou termina?
Eu não creio nisso, eu acredito no coração posto e sua alma ali presente, eu acredito no carinho proposto para sempre que não dura minutos e dias...

Há muita inteligência posta em jogo aqui , quando vivemos e relacionamo-nos.

Ah, pai, saudade, grato por surgir em paz à minha frente...sinto ainda a brisa e o calor do sol perto de nós.

Olho para cima à noite para ver não só a noite....

Quero buscar os sorrisos de quem sinto falta.....

Nenhum comentário:

Postar um comentário