domingo, 24 de fevereiro de 2013

POR QUE AMAMOS


Licenca!

Não se pede licença para homenagear.
 
 
 

Mas peço desculpas por escrever aqui um trecho da vida de pessoas importantes em nossas vidas em momentos as vezes delicados em demasia.

Um mês praticamente que uma grande amiga partiu da vida de muita gente.
 
 

Hoje, em conversa com o meu amigo, que durou prolongados 15 minutos, vi que o mesmo resumiu a sua vida em antes, durante e após a partida de sua esposa.

Desculpe-me , mas preciso dizer aqui algumas de nossas coisas.

 

-                                                                                 x                                                                     -

 

Conversando pelo skype olhei para a tela aonde ao fundo estava sentando o pequeno Andrea com a cabeça deitada sobre o labrador impassível no sofá.
 

Não temos perguntas certas em horas tão incertas.

Não sabia o que formular, o que dizer...

Posso aqui transcrever em minhas palavras, o que o pai deixou no ar.

Voce faz ideia do que é ter uma casa em absoluto silencio feminino?

( pensei o que seria isso )

Sabe quando o café chega a teus pulmões com a mesma voz cantando em francês ?

E quando mesmo assim ao longe , ainda adormecido nas cobertas , sente que haverá ovos estalados...e lá, no fundo, há um palavrão , daqueles pesados mesmos, como dizem , cabeludos, pois sempre havia óleo respigando em uma de suas mãos  muito bem feitas em unhas e cores.

O roupão rosa ou o preto, sempre!

Os lanches postos e preparados, o abraço do filhote e em torno dos braços ao meu pescoço acertando a gravata, ou ora o colarinho.

A tirada do carro, seeempre cantando o pneu...

Faz ideia do que é a casa ausente, pois a casa também foi, foi-se a estória e a história.

O peso desta aliança que trago ao meu pescoço?
 

Eu nunca entendi ou tive paciência com emotion em celulares. Mas ela ensinou-me a rir destes.

Boris, o cão pulguento, era somente choça para irritar a mãe.

Pasteis de Santa Clara, não consigo vê-los ou experimenta-los.

Aprendo agora a contar estórias para adormecer, e ainda mais interpretando as personagens.

Ir às reuniões.

É para sempre meu amigo,a dedicação a este ser fantástico , esperto e tão astuto e esta segunda mãe.

O coração , agora, pertence aos dois.

Quero dar o melhor de mim.

Obrigado, descobri quem deu a sugestão de achar um estrela e batiza-la com o nome da Téh. O meu pequeno adorou.

Caminhamos hoje, ele em meu lombo rascunhando o céu daqui, noite de quase 3 graus.

A falta que ela me faz, é imensa, vejo-a sempre no sorriso e nos olhos do pequeno. Uma falta em silêncio que incomoda, a casa faz-se muito grande...as vezes a sinto, outros momentos a ouço...e ao ver uma camisa, ou a tomar banho, ou a embalar o pequeno, ir a compras ou até mesmo em campo e em exercício... uma falta imensurável, somente menor do que meu amor por ela!
 
Descobri, que ela gravou vídeos para o Andrea, amigo, são muitos,vários, em vários anos.....e tenho a instrução de cada qual em seu momento....(neste momento vi que as lágrimas começaram a descer do rosto dele...abaixou a cabeça, e como um militar que é e foi, respirou e segurou a aliança na mão...)

E ontem, finalmente consegui subir ao telhado, aonde ficávamos vendo a Coimbra de sempre, e chorei o que pude chorar. Andrea subiu rápido, com pernas tão curtas e veio abraçar-me trazendo paz e dizendo, estou aqui papa, estou aqui!....

Obrigado meu amigo....

 

(...eu que agradeço, daqui do Brasil!!!)
Meu amigo comenta da perda de sua esposa há 30 dias em uma luta gloriosa contra um câncer!!!

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

UM ABRAÇO!



















UM ABRAÇO!...da mesma forma que comporta todas as dores em uma despedida, 

é o tamanho do mundo quando da chegada!

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

AUSÊNCIA

o que é a ausência?
é a voz que se mudou de cômodo?
é o frasco de perfume que esvaziou-se e fica difícil a lembrança?
é a palma da mão invertida que não toca mais o cabelo?
é aquela música que não se lembra, mas não sai de nossa mente.??
E o prato preferido?
...
Ausência,
é o sorriso que ficou em nós!
é o perfume das atitudes marcados em nosso caráter.
é o fechar de olhos com o calor do carinho na lembrança do espírito.
é a voz dita, falada ou escrita que sempre seguirá a nossa linha de vida.
é a certeza da presença distante e temporária...
como se a preparar um café de final de tarde, exigindo tempo e esmero para o preparo para pessoas queridas e muito amadas.
Ausência é temporária quando
vinda de seres maravilhosos em nossas vidas, que
preencheram mais do que vazios, cantos, cômodos,
mas uma vida Inteira!!!!

É essa, a ausência temporária que temos que permitir e seguir.

Fiquem bem!!!! da mesma forma que Ela está bem!




EM HOMENAGEM À NANCI ABREU DE CAMARGO!!!

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

CARTA DE ANDREA





titio, eu acordo os dias e levanto-me para fazer os cafés e bolachinhas para meu papa e minha avó.
eu desco as escadas, mas eu olho para o quarto da mama que esta vazio, papai adormece sempre agora comigo. ontem eu subi na cama e fui cheirar a colxa na cama.
A casa ta mais de silencio mesmo com Bolis la ( bolis, labrador que veio com o padrasto de andrea que alias chama-se Bóris )

Eu saio ao quintal e neste frio ainda vejo sol mama sempre dizia sai mas antes agasalha-te.

Naum tem mais palavrao cabeludo de mama. Ontem papa chorou no quintal eu sai e levei cha para ele


Eu sinto falta de mama mas o vovo apareceu em minha cama e diz que ela esta cuidada e ele e zeloso muito com ela. e logo ela me abraça e beija nos meus sonhos e eu como homezinho da casa, preciso cuidar deles todos.


eu aqui vou titio



beijo e ficas bem em brazil



( traduzido do francês hoje, andrea, 7 anos filho de stephanie giancarlo, falecida esposa de meu amigo Eslavioch Rizzo e grande amiga ).....

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

FUI EU

Para você...que ficou na dúvida..

sim, era eu na quinta-feira 31/01.13..... as 23.40 H....

Eram os meus novos olhos, de ver

de enxergar ...

domingo, 3 de fevereiro de 2013

AO FALAR DE MIM





não tente me limitar com palavras,

meu olhos são maiores que teus braços, 

e, em meus braços o horizonte todo cabe.