segunda-feira, 22 de abril de 2013

SÓ?



O telefone tocou.
Atendi em meio a falhas diversas e pude ouvir a voz de uma pessoa muito querida, que já há algum tempo não tinha notícias reais...


Algumas lutas que travamos são diárias.
São momentos sem trégua contra nossos problemas, dúvidas ou fracassos, são momentos que pedem tempo para digerir, entender, e decidir.

Mas alguns problemas são bem mais sérios e atuam em nossas vidas, mesmo quando adormecemos, pois estão dentro de nós, formados em uma luta pela nossa própria vida quando se trata de uma doença muito mais séria!

Depois de conversarmos, abri a janela do quarto, mas ela não foi suficiente.
Desci ao estacionamento e entrei no carro, com música...que também não foram suficientes...
Desci a serra .



Somente assim tive um tanto de tempo, para pensar...
Mas para alguns o pensar envolve decisões para hoje e amanhã...

Uma das coisas que pude fazer e faço, é em meus momentos de recolhimento, olhar para essas pessoas, e vibrar o melhor que posso, para canalizar o que  vem do Mais Alto, para pessoas que amo muito. Ou mesmo, para aquelas que não me amam.


Não está fácil para ninguém, ouço isso muito.
E não está mesmo.
O mundo , esse quintal maravilhoso, continua o mesmo, um tanto doente às vezes.
Mas o ser humano, esse ser patologicamente doente, está mais do que ausente e em queda.
Sociedade doentia, acomodada e distante.

E tanta gente sofrendo calada, até mesmo auxiliando outras pessoas em total desapego de si mesmas.
Hoje , não é meu melhor texto, longe disso...
Hoje estou pensando na minha amiga, nesta recente aqui, no meu pequeno gajo português sem sua mãezinha, em meus familiares, amigos...

Hoje estou aqui pensando em você.
Em como podemos resolver, ou amenizar...



Sim, eu também, sofro, também caio, também perco e fracasso.

Mas, se eu , permitir um segundo somente para pensar em cair de vez na lama...

Estou aqui, somente para que saiba, que não estamos sozinhos, e mesmo, eu, bem distante de você,

estarei pensando e vibrando por ti!

sexta-feira, 12 de abril de 2013

VICTOR HUGO FOI EMBORA...




Ontem olhei pequenas imagens...
Imagens em preto e branco que acabaram por se tornar o cotidiano de várias pessoas.
Não existe nome que possa retratar a perda de um filho frente aos seus pais.
É uma dor calada que consome a alma, até que um dia todos se reencontrem.

A visão que consumiu minha noite é do pai, sentando em um banco, olhando para o vazio...
A dor que consome meu sono, é a da mãe que envelheceu anos em questão de dias.
Essa dor, que consome através do silêncio é pior que a saudade, pois não houve possibilidade de despedida.

Os pais entregaram o Hugo, esse jovem , ao mundo , para que ele pudesse ser parte, entregar-se com paixão pelo que amava e pelo que aprendeu a amar...

Mas , o Hugo não voltou.

Os pais voltaram para casa sozinhos...

Enquanto que na calada da noite, uma mãe , acompanhou seu "filho" até a Vara de Infância e Juventude, para este "jovem " ser encaminhado para a Fundação Casa, para medidas "sócio-educativas"...

Essa mãe, empresta agora seu "filho" para que possa ser corrigido...

Agora essa mãe é mãe, não irei julgar o que ela fez, ou tentou fazer por este menor, o que passaram em vida, sofrimento e dores etc etc, mas por que este jovem foi com sua mãe? Aonde estava ela no momento do furto de um simples celular? Aonde estava quando da compra desta arma? Ou dos três delitos anteriores realizados por ele???

Somente tenho uma coisa a dizer, a maior culpa , é de quem puxa o gatilho, pois hoje e já à algum tempo, existem váááááaárias ações sociais de ONGS, empresas, igrejas e movimentos que buscam ajudar aos menos favorecidos, com cursos de diversos setores, e categorias. Não há desculpa para se dizer que ele nunca foi auxiliado, em algum momento de sua vida, miserável ou não, ele recebeu uma mão estendida.

Não tenho pena, talvez um tanto de compaixão...

Direitos humanos não visitaram os pais no enterro...ou quando ele, sentando em seu banco, a perfeita imagem do vazio existencial, ficou ali, olhando para o nada...

Fica aqui meu repúdio à qualquer tipo de violência e minha solidariedade a qualquer mãe, pai que perde seu filho ou filha desta forma...

E o Hugo, não voltou para casa...

E nós, voltaremos hoje para casa?

Seus pais ou filhos , voltarão para seu lar?


quinta-feira, 4 de abril de 2013