quarta-feira, 24 de julho de 2013

SONHO DE ANDREA

Ao  estar nesta noite tão fria , esqueci novamente o computador ligado...

E, ligado, alguns programas funcionavam ainda...

E vi, que uma telinha, pequena , piscava refletindo no meu quarto.

Ergui contra a preguiça e caminhei até a poltrona.

3:35 Horas - Paris - França

Rizzo descreve um " sonho" do pequeno Andrea:




Narra-me agora há pouco que o pequeno Andrea, que agora parece pertencer à mais de mim do que de outras, mas que creio haver necessidade de dizer às mães.

Sei do frio que ocorre em tuas terras, e esta, a meu ver , a narração  do que estes olhos serenos e espertos quiseram e puderam enxergar.

Já lhe digo, que de pouco posso derramar lágrimas, de coração duro que sou, mas não pude deixar de soltá-las ao ouvir do próprio Andrea ...

" - Andrea acorda !

- Vamos! Abre os olhos apertados meu príncipe!

- Mama!

- Vem aqui e abraça voando oras!

O quarto fica pequeno quando as perninhas nervosas se dispõem a correr.

O abraço é de tempo. O cheiro é tenro. Os grilos lá foram paralisam.

- O que tens me aprontado bebê?

- Ah! Eu corro mama...

- E não? Como poderias não correr?

- Eu fiz da equipa de rugby,  e eu corro e corro muito.

- Eu sei tesouro, mama sabes muito bem.

- Eu senti saudades minha mama.

- Ah, mas eu sempre estou contigo, sempre o vento está com você não é?

- Aham!

- Então, é carinho de mama! Obedeces ao papa?

A cabecinha loira acena com sorriso prestando verdade e orgulho na missão dada. "

A conversa se estende ainda um tanto a mais, que o pequeno depois não me revela, mas o sorriso que me permitiu ver no escuro do quarto, revela que não é sonho algum, trata-se de reencontro.

Do assombro, eu me rendo à crer.

Amor persiste sempre.

E o Andrea neste exato momento, esteve no melhor lugar de todo o mundo.: NOS BRAÇOS DE SUA MÃE!

RIZZO!

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Perder alguém é como sair de casa, para uma viagem breve sem mala.

Eu não sei aonde a estrada poderá me levar...

É como se, deixasse as asas para trás e a criança aqui dentro não brinca mais...

Triste saber quando alguém não nos enxerga como realmente é a nossa alma e essÊncia, e, assim , ela nos supõe.
Pior do que supor, é partir. Mas, sinceramente, algumas perdas são efêmeras demais, e eu não gostaria de perder uma unha sequer da mão que escrevo.

Uma pessoa me disse uma vez, que estamos tão emprestados nesta vida , que não merecemos rótulos.. hoje estou amando você, amanhã serei um pai de alguém...

Perder alguém é como sair de casa, para uma viagem breve sem mala.





E quando a gente volta, e voltaremos um dia, tudo será diferente, tudo no mesmo lugar, mas tão, tão diferente. 

Alguém me disse uma vez que AMAR REQUER CORAGEM ( Joseph Campbell )... e tanta gente nunca terá amor, ou amado!!!!

Estamos emprestados, nunca seremos " de" ou " para "... o certo é " estamos".

E pergunto ao teu coração, aonde está hoje você?

Quer sair?

Quer ficar? 

Quer sentir? 

Quer se amar?

quinta-feira, 4 de julho de 2013

KALENA KAI ....UM RECADO DE STEPHANIE



Palerma

cá estou a olhar pela janela e a dizer, puta merda de sol a escaldar lá fora, melhor apressar a pena e aproveitar.


Daí tu pensa, caceta, ela larga de falar comigo e vai em busca de aventura?


Sim, respondo eu, mas é claro, porque não haveria de ser?


Aproveito pois quero deixar a impressão desta luz maravilhosa não só em minha pele, se bem que, a pele merece um bronze a mais, mas quero este dourado a esquentar a minha face, frente aos dias escuros que poderão surgir.


E irão surgir, eu sei, o preparo vem à tempos.


E aqui , cada qual com seu perda não?


As mais pequenas e as mais volumosas são iguais, pois existe dor.


O pequeno corre, muito , demais pela casa, o que não é pouco, ele quer ganhar o mundo, quer pular a cerca , a arrastar o Labrador com ele, e dali, ganhar a rua, e subir a encosta.


Andrea é do vento, como eu também fui e sou, Andrea é da brisa do mar com gosto de sal e vento.


eu, sou gosto de mar, mas com toque de pimenta , pois cá meus lábios falam muito a ver com palavrões e xingamentos.


Pá, oras, sou confeccionade assim.


O Rizzo aperta a minha mão sempre, com carinho e proteção cadenciados.


Somente irá receber isso por depois de muito tempo. de lá eu já estarei a cuspir em tua cabeça nada reduzida...


Mas , vigia de longe os dois, pode ser? Combinado estamos?


Lego ainda comigo uma mágoa e algumas tristezas, pois uma pessoa faz-me falta, mas escolheu um outro lado de vida e costumes, então o amor que me resta, que não é pouco, mas exclusivo de alguns, guardado está, pois amigho, a vida repara, e corrige os erros que insistimos e ter, produzir e ferir,...


É , o homem bicho é ser doente, busca reparo em oficina , ou erva no meio das matas e campos, vai lá entender.


Olha, de longe, do teu país os dois a crescerem para nós sim, outro momento eu chego novamente para te puxar as rédeas, bater em tua bunda , daqui de cima, ou caso esteja, aqui embaixo, ergo o bambu e toco tua sola e outras coisas....


Beijo


Té!


( traduzido rapidamente do Francês )