domingo, 15 de novembro de 2015

O MEDO QUE VOCÊ ACOMPANHA









Não são somente as rugas que nos trazem mudança na aparência.
As experiências, muitas vezes fortes, avassaladoras, cortam nossa alma , como a melhor das navalhas.

E maioria destas vezes, adentram nossa pele, e se instalam em nosso mais importante local do corpo, mais fortes do que qualquer tatuagem.: Alma.

Digo isso pois recentemente duas Mulheres realmente, perguntaram , cada qual em seu momento:

- E como, um homem como você, com todas essas qualidades, continua solteiro???

A resposta, tão rápida quanto o melhor dos raios, veio seguida pelo melhor estrondo de trovão:

- Porque somente eu tenho coragem.

Quando disse que só eu tenho coragem, trata-se da coragem em poder amar, e ser amado, preterido.



É assim, uma equação simples, aonde o medo de relacionar-se ( eu aposto que esse prefixo RE, seja para mim uma tentativa, uma volta, um encontro, sempre em direção ao outro ser ), seja da seguinte forma:

eu + vontade plena = ela ( medo---> fuga )

A conta não fecha!

Até quando você que me lê aqui, está deixando de lado o medo que você acompanha?
Homens , com H em franca extinção , também cansam-se.
E esse cansar silencioso e melancólico é deste ciclo vicioso , aonde um sofre + dois não se sintonizam = zero para ambos

E você , que permite que o Beto se aproxime, que te ama por sinal, mas você somente deseja uma noite: NÃO FAÇA ISSO, não mate sua carência com quem quer estar ao teu lado por amor.

Ou você, que apresenta-se para o Carlos, abrindo espaço na mente e no corpo, no coração e na vida e, simplesmente depois parte desligando a chave IN/OFF.

Homens também recebem não, mas pior desses nãos são os ditos pelas pessoas já envolvidas, que por desejarem terem em uma das mãos o medo, NÃO DÃO ESPAÇO PARA DEDOS ENTRELAÇADOS.



Falo aqui de Homens, simplesmente HOMENS.

Daqueles que abrem a porta do carro,
dos que enviam um botão de rosa sequer em agradecimento,
dos que te seguram ao telefone por mais de 02 horas conversando,
daquele que deixa teu estômago oco, com frio ao saber que irão se ver,
do que escreve ou sinaliza que lembrou de você , pois uma música puxou lá de dentro, a cor dos teus olhos,
o perfume da tua pele
e o gosto da tua boca.

São esses, somos nós,
que,
perdermos de goelada para teu maior inimigo, aonde nunca poderemos combater...

Teu medo...

E assim coleciona-se amargura, ou silêncio.
Mas quais de nós prefere o banco ao lado vazio,
melhor do que ter uma forma mal realizada, e enganar uma terceira equação.

Esquecer? lembra da tatuagem?

Não somos sozinhos, estamos solteiros,
com o coração ainda preenchido pelo eco de alguém dentro de nós...




Nenhum comentário:

Postar um comentário