segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

FRAGMENTOS



Fui segurado pela manga da blusa.
Enxugaram minha lágrima.
Ofereceram café.
Disseram alôs.
Partiram.
Chegaram.

Amei um olhar castanho.
Desejei aqueles pés descalços macios.
O paraquedas já não abriu mais de uma vez.
E. cair na água também tem a mesma dor e sangria.

Continuava a escrever quando ela  bateu à porta...



Nenhum comentário:

Postar um comentário