sexta-feira, 21 de julho de 2017

NÃO FOI FRESCURA QUANDO QUIS ME MATAR...







Mãe, não tome mais cuidado com as roupas largadas no chão.

Mas quando eu as deixar sincronizadas sobre a cama, dobradas como aguardando mala.

Mãe, não sou que estou enchendo a paciência de todos na casa; é a paciência que deixou de habitar a minha cabeça faz tempo.

Mãe, toma cuidado com quando eu não ouvir mais música no quarto mesmo que alta.

Ou quando deixar as comidas preferidas na geladeira.

Ou quando dizer que te amo tão baixo que nem eu escute.

Quando deixar sentar me no fundo da sala.

Meu amigo, realmente eu tinha razão quando lhe disse que a fome não passa mais por mim,

ou quando não amo mais a menina da sala 105.

Mãe, eu de novo.

Cansado estou das noites e dias sem fim,

do sol e da lua,

do mar e da brisa.

Cansado estou das coisas e coisas desta vida mãe.

Sabe mãe, vou descansar tá.

( toma cuidado você, que aqui lê, que se sente leve como a agonia sobre o céu, luta...luta e vence , mesmo que só )